segunda-feira, abril 30, 2007
Pensamento do dia

"O gozo de ser rico deixa de o ser, quando o ouro não compra as alegrias puras da alma."

Camilo Castelo Branco
 
Escrito por Hindy às 17:28 | Links to post | 12 Palavras pinceladas
quinta-feira, abril 26, 2007

Queria ser menina outra vez... brincar na relva acabada de cortar e sentir o seu aroma fresco... rebolar pelo chão e sorver o cheiro da terra... saltar à corda e pensar que tocava no céu... andar de bicicleta, cair e esfolar os joelhos mas não ter mais dores senão as físicas...
São as da alma as que mais doem...
Queria ser menina, olhar o horizonte com sonhos e fantasias desmedidas e assim enlear-me na doce ilusão da vida...
 
Escrito por Hindy às 22:49 | Links to post | 22 Palavras pinceladas
terça-feira, abril 24, 2007

Há momentos na vida em que até a rosa mais bela e colorida nos parece negra e sombria...
 
Escrito por Hindy às 14:29 | Links to post | 12 Palavras pinceladas
segunda-feira, abril 23, 2007

Com este sol até dá vontade de sair à rua e sorrir a todos e à vida...
Boa semana e aproveitem o feriadinho que aí vem!
Um "xi" à moda da Hindy!
 
Escrito por Hindy às 18:38 | Links to post | 7 Palavras pinceladas
quinta-feira, abril 19, 2007
Pensamento do dia
"A primeira fase do saber, é amar os nossos professores."

Erasmo
 
Escrito por Hindy às 20:24 | Links to post | 13 Palavras pinceladas
quarta-feira, abril 18, 2007

Esta semana tenho cá comigo a minha "Maria Pitú" e hoje fomos até à praia! ;o) Foi a segunda vez que ela foi e apesar de correr atrás das gaivotas e escavar buracos na areia, tem medo do mar... assusta-se particularmente com o som do rebentamento das ondas e nada de molhar as patinhas. Fartou-se de correr comigo à beira-mar mas sempre que a água se aproximava ela recuava. É uma tontinha!
Hoje fui feliz com ela na praia!
 
Escrito por Hindy às 23:33 | Links to post | 17 Palavras pinceladas
terça-feira, abril 17, 2007

Cor de luz
acordes de calor
tom que flui
e me cobre...
Quero perder-me
e encontrar-me
ser corpo em ti
e voar...
 
Escrito por Hindy às 18:33 | Links to post | 6 Palavras pinceladas
segunda-feira, abril 16, 2007
Mika - Grace Kelly


E que tal esta música para começar a semana? A mim dá-me vontade de pular e com este sol maravilhoso e o calorzinho lá fora, até me esqueço dos meus problemas.
Espero que gostem e que a semana vos seja favorável. O tal beijinho hindyado!


P.S.- Em relação ao último post, gostei muito da "força" que me deram mas infelizmente não tenho perspectivas imediatas de ter um filho. Apesar dos meus quase 31 anos e do meu relógio biológico estar a "dar horas" constantemente, não tenho condições sentimentais para o fazer brevemente. Talvez só daqui a 2 ou 3 anitos. Ai, ai! Daqui até lá vou-me babando com os bebés que vejo na rua e vou sonhando mas há dias que me custa muito...
 
Escrito por Hindy às 15:29 | Links to post | 13 Palavras pinceladas
quarta-feira, abril 11, 2007

O apelo é cada vez maior... o chamamento é cada vez mais profundo... a vontade é cada vez mais sentida...
 
Escrito por Hindy às 20:16 | Links to post | 20 Palavras pinceladas
terça-feira, abril 10, 2007
Terminei a leitura deste livro que, de resto, AMEI! Dei comigo, muitas vezes, a sorrir, a rir às gargalhadas, a sentir um calorzinho no peito e noutras as lágrimas escaparam-se dos meus olhos enquanto o lia... sentada no banco de um jardim, na areia junto ao mar, à lareira no meu "ninho", dentro do meu carro, deitada na minha cama, muitos foram os sítios onde o "devorei" e de todas as vezes não sentia vontade de parar. Sou e serei sempre uma grande admiradora destes animais que são de uma nobreza de sentimentos inigualável, verdadeiros exemplos de amor, humildade, entrega, solidariedade, companheirismo, devoção...
Para quem tem paixão por cães, como eu, este será concerteza um livro inesquecível.
Deixo aqui um pequeno excerto para, quem sabe, despertar o vosso interesse. Sei no meu coração que não se arrependerão. Quem como eu tem um destes bichinhos adoráveis sabe que tenho razão, não é amiguinhos?


" Éramos jovens e apaixonados. Estávamos a viver esses primeiros dias sublimes de casamento em que a vida parece melhor do que nunca. Só estávamos bem um com o outro. (...) Quando aterrámos os dois no Sul da Florida e demos o nó, ela tinha quase trinta anos. Os seus amigos começavam a ter filhos. O seu corpo enviava-lhe mensagens estranhas. A janela da oportunidade para a procriação, outrora aparentemente aberta, começava a fechar-se lentamente. Debrucei-me sobre ela por trás, envolvi-lhe os ombros com os braços e beijei-a na testa. - Está tudo bem. - disse-lhe.
Mas tive de admitir que era uma boa questão. Nenhum de nós alguma vez tivera de alimentar o que quer que fosse nas nossas vidas. Claro que tínhamos tido animais de estimação em crianças, mas esses não contavam. Sempre soubéramos que os nossos pais os iriam manter vivos e de boa saúde. Ambos sabíamos que que um dia queríamos ter filhos, mas estaria algum de nós realmente `a altura da tarefa? As crianças eram tão... tão... assustadoras. Eram frágeis e indefesas e parecia que se quebrariam facilmente se as deixássemos cair.
Um pequeno sorriso despontou no rosto de Jenny.
- Pensei que talvez um cão fosse um bom treino - disse.
(...) À entrada da casa, fomos recebidos por uma mulher de meia-idade chamada Lori, que nos deu as boas-vindas com um labrador retriever amarelo a seu lado.
- Esta é a Lily, a mãe babada - disse Lori depois de nos apresentarmos.
Podíamos ver que cinco semanas depois do parto Lily ainda tinha o ventre inchado e as tetas pronunciadas. Ajoelhámo-nos, e ela aceitou benevolentemente as nossas festas. Era exactamente aquilo que um labrador devia ser - doce, afeiçoado, calmo e lindo de morrer. (...) A ninhada consistia em cinco fêmeas, todas reservadas excepto uma, e cinco machos. Lori pedia quatrocentos dólares pela fêmea e trezentos e setenta e cinco pelos machos.
(...) - Aquele ali pode levá-lo por três e meio - disse a dona.
(...) - Oh, querido - arrulhou ela. - O pequenino está livre!
Tive de admitir que era realmente adorável. E vivaço. Sem que tivesse tempo de perceber o que ele estava a fazer, já o sacana me roera metade da correia do relógio.
(...) Só um deles avançou ao encontro da investida. Era o "Cachorro Livre". Arremeteu contra mim a todo o gás, fazendo-me um bloqueio de corpo atravessado contra os tornozelos e abocanhando-me os atacadores como se convencido de que eles fossem um inimigo perigoso que precisasse de ser destruído.
- Acho que é destino - disse Jenny.
- Achas que sim? - perguntei, levantando-o na palma da mão diante da cara, estudando-lhe a carantonha. Ele olhou-me com uns olhos castanhos de derreter o coração e mordiscou-me o nariz. Atirei-o para os braços de Jenny, e ele fez a mesma coisa a ela. - Lá que parece gostar de nós, parece - disse eu. (...)"
 
Escrito por Hindy às 14:46 | Links to post | 14 Palavras pinceladas